Antiético ou ilegal?

Antiético ou ilegal?

Na vida que temos fora do jogo, tem sido bastante comum a discussão acerca das possíveis ações que lesam o cidadão e o consumidor no seu dia a dia. Em grande parte destas, a defesa daqueles que lucram com isto é de que está tudo dentro da lei, e realmente está. Eles estudam a lei para saber como burlar sem infringir, eles contornam a lei. Então as ações não podem ser consideradas ilegais, mas apenas antiéticas.

Voltando para dentro do jogo, temos percebido, desde o lançamento oficial do jogo, que estas atitudes estão sendo massivamente utilizadas, prejudicando os jogadores, mas de maneira que nada se pode fazer contra isto, haja vista que não existe uma regra para essas atitudes. Em especial podemos citar a área econômica, temos percebido a utilização de técnicas condenáveis eticamente, mas não ilegais, e que tiram a possibilidade de ganhos de muitos jogadores casuais. Uma das mais comuns é conhecida como “Truste” (similar ao Cartel), onde grupo de guildas formam uma aliança econômica focada em deter a posse das construções de um tipo dentro de uma cidade, para que possam cobrar taxas abusivas posteriormente, deixando o jogador comum sem alternativas.

Podemos perceber em algumas das grandes cidades do continente Royal que construções importantes e necessárias contam com 3 ou 4 alternativas, e se verificar o seu “owner” descobrirá que em alguns dos casos, são da mesma guilda. O jogador que não faz parte deste sistema e decide competir comprando um espaço para colocar uma concorrência, recebe a tática de dumping, onde o “Cartel” decido jogar as taxas abaixo do preço de custo, perdendo dinheiro, o que faz com que os jogadores não utilizem a construção do novo comerciante a não ser que ele também baixe sua taxa a ponto de perder dinheiro, haja vista que ela precisa ser alimentada e eventualmente oferecer retorno. Sem ter lucratividade o comerciante decide desistir e não renova a compra da construção, o que facilita ao Cartel comprar aquela área pelo preço muito menor, haja vista que se o dono atual desejasse seguir, o cartel teria de pagar 2×1 para adquirir a área, ou seja, se o dono atual oferecesse 1kk para manter a construção, o Cartel (ou qualquer outro que desejasse comprar) deveria oferecer 2kk (mais 1 moedinha para desempate). Sem interesse do comerciante desiludido, o Cartel compra o espaço e pode colocar um construção diferente ali, voltando a jogar as taxas no espaço nas construções anteriores.

Não há nada nas regras que diga que isto não possa ser feito, ao menos não explicitamente. Caberia a produtora do jogo decidir que isto é uma atitude prejudicial e coibir esta estratégia.

Outra técnica que vem sendo utilizada de maneira invasiva é a compra de um determinado item em larga escala para retirar este produto do mercado, com quantidade menor, e procura maior, o valor do produto tende a subir, então o comprador retorna a colocar os itens no mercado, agora a um preço bem maior, lucrando de maneira simples e sem esforço, mas de uma ética no mínimo questionável.

Estas estratégias chamaram passaram a ser tão lucrativas que agora temos guildas focadas exclusivamente em explora-las, guildas que não se preocupam em ter PVP, GVG nem qualquer especialização maior para combate pois seu foco é apenas ganhar gold e prata sem precisar pegar em armas. E quando necessitam de escolta, apenas contratam grupo de mercenários para um determinado comboio. Emprestam dinheiro para que guildas comprem plots, alugam ilhas para que jogadores possam upar suas plantações, e toda a sorte de negociatas que deixariam qualquer corretor da bolsa de valores envergonhado ou orgulhoso, dependendo de cada perfil ético.

Há quem diga que se a empresa não coibe, então faz parte do jogo e deve ser explorado por quem deseja, no entanto, boa parte dos jogadores nem percebem que estão sendo lesados, pois estão apenas se divertindo enquanto que para outros, o jogo se transforma em um minucioso trabalho de coletar dinheiro.

E você, o que acha disto? É a favor? É contra? Porquê?

Autor: Silvio Teixeira

Compartilhar a publicação